9 de out de 2011

Infância...

Sinto falta de alguns bichos da minha infância...
A última vez que vi joaninhas de verdade, estava em Ubá, no sítio do meu irmão e, observei uma grande colônia de joaninhas passeando pela jabuticabeira em flor... Que coisa mais fofa... Como Deus é perfeito nas suas criações... Tão pequeninas e tão cheias de detalhes no design...
Sei lá porque mas, assim como as joaninhas andam povoando minha mente, as Dálias amarelas, que existiam no fundo do quintal que cresci, também me remetem aquela infância feliz (sem demagogia)...
Lembro da minha mãe cortando as mais abertas e colocando na jarra de vidro azul para enfeitar a mesa de fórmica amarela... Minha casa tinha luz, cor e vida... Fui uma criança feliz... Aprendi a ser o que sou hoje pelas brincadeiras da minha infância...Escorregava com meu irmão e primos pelos barrancos do Morro da Vila... Amarrava notas no barbante... Brincava de bente altas, queimada, pique-esconde, salada de frutas e patinete...No nosso quintal tinha, carneiros, patos, galinhas, galos, pintinhos, marrecos, cachorros e muitas, mas muitas borboletas... Nosso quintal era florido, margaridas, rosas, dálias, petúnias, hibiscos e beijinhos.... As grandalhonas mangueiras, ameixeiras, figueiras, jambeiros, laranjeiras, limoeiros, coqueiros, jabuticabeiras e um pé de abil (fruta que cola)... Nossa casa tinha um porão (nossa casinha de paredes)... Tínhamos uma lojinha lá com balança e tudo... Vendíamos  as frutas do nosso quintal para nossos colegas e o dinheiro eram as folhas do limão...rsrsrrs... Que delícia relembrar isto. Por onde andam Alda Rinald, Maria Inês Arquette, Kátia Nascimento, Jorge, Tereza e José Mauro, Lenir Parma, Érica, Cristiane Albino, Cecília e Rita Gravina, Simone, Nandinho e Valéria Barletta???  O portão da nossa casa, era a ilha da fantasia das crianças da Rua Manuel Casal...

6 comentários:

Anônimo disse...

O que fica, é a mensagem para aqueles que têm filhos(inclusive eu)
O que temos feito para proporcionar uma infância feliz a eles?

Léo

Anônimo disse...

Você foi uma criança comum do nosso tempo com um diferencial hoje, nos faz relembrar estórias mortas e até então, sem nenhum valor afetivo. Pelo túnel da sua história, viajei pelas minhas lembranças e acrescentaria duas brincadeiras muito importantes na década de 60... rolimã e garrafão.
Obrigado Alessandra, pela oportunidade.

Gusmão

Alê Casarim disse...

Obrigada eu, Gusmão...
Também brinquei de rolimã e acredite se quiser, temos ele até hoje...e de garrafão, não me lembro...mas pode ser uma brincadeira regional não é???
Abraços

Alê Casarim disse...

Léo, também me pergunto se proporcionei a melhor infância aos meus filhos...

Matheus Henriquez disse...

Conveniente que todos possam ler, especialmente hoje, no Dia das Crianças. Ainda não sou pai, porém confesso, quero escorregar pelos barrancos da vida com uns bacuris.
Parabéns pelo seu dia Alessandra! Sua alma, não permite que cresça.

Matheus

Alê Casarim disse...

Verdade.

Talvez por isto escolhi a Sininho como o meu perfil no face rsrsrrs....