22 de abr de 2012

Matricular/Estudar na UNIFEI??? Obrigatória a leitura deste texto.

Matricular seu filho  na UNIFEI  Itabira MG??? Leia antes este texto: 
"Onda de assaltos em repúblicas da Unifei Itabira assustam estudantes, só na noite de 16/03 ocorreram três (sendo um deles, a mão armada), um furto e uma tentativa, em todas as ocorrências a polícia demorou excessivamente (horas) para chegar ao local e no ato do atendimento agiam com ar de deboche, dizendo “não vimos nada, nada podemos fazer”.

Em três semanas desde que começaram as aulas, já ocorreram mais de 10 furtos, pais de alunos já querem tirar seus filhos da universidade, pois nada é feito pelas autoridades.

Xenofobia é algo evidente no dia-a-dia da cidade, onde tratam os estudantes “forasteiros” com indiferença, cobrando mais caro em tudo ( aluguéis principalmente ), isso ocorre até mesmo quando o assunto são os policiais, eles demoram poucos minutos para atender ocorrências de som alto em festas em repúblicas e demoram horas para atender uma ocorrência de assalto à mão armada ou furto, que estes alunos vêm sofrendo.
Dizem que o grande problema dos universitários de Itabira são os barulhos das festas, pois então notamos uma discrepância engraçada, quando o trem da Vale passa de duas em duas horas pela madrugada, fazendo um enorme barulho, ninguém reclama. É claro que não vão reclamar, afinal a Vale é detentora do maior investimento financeiro da cidade. Mas espera ai, os universitários deixam na cidade aproximadamente 14 milhões de reais todo ano, que não é pouco, porque então eles devem ter menos direitos de que um morador nascido em Itabira, afinal eles também moram na cidade.
Será que eles terão que fazer barulho nas ruas, ou fazer as tais “badernas”, para serem ouvidos pelas autoridades e serem tratados como cidadãos? Será que se uma das vítimas desses assaltos fosse um morador nascido na cidade, a polícia iria demorar tanto para realizar o atendimento ou até mesmo iria rir deles? Creio que não.
Vamos imaginar então se fosse o prefeito ou algum “figurão” influente da cidade, será que seriam tratados com desrespeito igual esses alunos da Unifei? Será que se eles fizessem uma festa, os moradores iriam chamar uma viatura para mandar abaixar o som ou iriam pessoalmente pedir com educação? Com certeza seria a segunda opção. Então porque que com esses universitários acontece o inverso? Talvez seja porque isso já virou um clichê ou até mesmo piada.
Deve ser engraçado pegar no pé deles, roubar seus pertences, afinal certas coisas aqui na cidade só acontecem com eles. Chegou a hora de mudar essa realidade, seja por bem ou por mal, o que não pode acontecer, é ficar como está. Hoje eles não podem sair à noite, pois não sabem se ao voltar para suas residências, elas terão sido saqueadas, ou até mesmo se voltarão vivos, muito menos sabem se podem viajar para suas cidades de origem, pois quando voltarem pode ser que nem mesmo achem portas ou janelas em suas casas, quem dirá seus pertences.
Deste jeito a Unifei não vai para frente, afinal quem vai querer vir morar em uma cidade, onde os alunos são vistos como diferentes dos outros moradores e por isso sofrem consequências? Isso é péssimo para imagem da própria cidade, será que a população ainda não percebeu isso?
Espero que seja feito alguma coisa, pois os alunos não irão ficar parados esperando alguém morrer, para as autoridades tomarem alguma atitude. Eles são tão moradores, quanto alguém que nasceu na cidade, para quem veio a trabalho, ou qualquer outro tipo de morador, todos tem direitos iguais perante a lei".
Texto por: Bruno Ranieri e Kauê Martins Silva   Edição: Kauê Martins Silva e Antônio Duarte Ribeiro
Como MÃE, EDUCADORA e acima de tudo PRESENTE, só não trouxe meu filho para casa,  porque os sonhos dele ainda nos falam mais alto...  Porém confesso, meu coração anda por demais apertado...        Alessandra Casarim  22/04/2012