2 de nov de 2013

Esfarrapada desculpa...

Vá!! Coloque aquela sua saia florida... Aquela que tem alguns pássaros voando sobre as flores... Sim! Aquela mesmo. Retire-a do armário e vá ver o sol... Ela combina com aquela regata branca e a sandália nude. Não tem?? Sem problema! Poderá ser aquela colorida... “Peraí!!!” Põe também o seu sorriso de outubro e leve o amor no coração, se estiver difícil leve-o no bolso mesmo, poderá precisar dele... Prontinho!! 
Agora, vá pela rua... Sinta o vento batendo no seu rosto; abrace o sol desta manhã; cumprimente aquela velha árvore que pinta o tapete por onde passa... Jogue um beijo pro seu bicho... Sinta o coração batendo pertinho... Escute seu coração! 
Veja longe... bem longe!! Percebe?? Mais um dia nasce... “Veja” ele!! Sinta Deus... Perfeito!! Sinta o cheiro, o sabor, a cor e a música... Percebe o que aconteceu?? Você encontrou a felicidade. Siiim!!!  Ela  escondia-se nos detalhes... Está nos olhos de quem percebe a importância dos sentidos espalhados pelos segundos da vida... Agora não resta-me nada mais a não ser desejar, não um dia mas, uma vida inteira de detalhes que nos façam acreditar que: Desenterrar aquela nossa saia florida, aquela que tem alguns pássaros voando sobre as flores... Sim, aquela mesmo, era apenas uma esfarrapada desculpa pra sermos felizes pela vida... 
Bora lá!!! FELIZ!!!

28 de ago de 2013

Som do coração...

Hoje vou assentar-me no chão,
Prestar atenção ao som do meu coração,
E caminhar segundo as suas notas...
Hoje não vou atropelar a melodia,
Vou dançar conforme a música...
Hoje vou encharcar meus cabelos
Com a água da chuva...
Vou chorar na areia quente...
Vou querer-me cheio de amor por ti
E claro, mais ainda por mim.
Quero minh’alma tranquila...
Quero ouvir os meus passos,
O canto dos pássaros,
O barulho das cachoeiras,
O som do vento.
Hoje quero sonhar um sonho longo...
Quero subir a montanha, e voar com o pássaro negro.
Quero tocar a lua, e pegar as estrelas.
Hoje quero dizer que, eu me entendo,
Quero dizer  te entendo.
Que não precisamos entender mais nada...
Para que entender???
Precisamos somente viver... Um dia de cada vez.

Caminhos...

Um dia você acorda e percebe que envelheceu mas, que o brilho do seu olhar, ainda existe. Que seus filhos seguiram por caminhos diferentes. Percebe que as flores das trilhas que eles seguem serão sempre as mesmas...Você soube desenhá-las. Que o som do seu coração bate lento, apesar do amor arder em seu peito. Percebe que quer rede para seu corpo cansado mas, quer também um bom livro pra sonhar... Você sonha. Percebe que antigos sonhos retornam e que  há tempo suficiente para realizá-los... Você acorda e lamenta o que não fez e o que fez além da conta... Percebe que escreveu uma história. Que fechou não um mas, vários ciclos.  Um dia acorda e percebe que quis crer,  esforçou-se para agradar gregos e troianos, disse “sim” quando queria dizer não,  deixou de falar tantas vezes... e sorri, sabendo que isso não vai mais mudar nada. Acorda e percebe que deixou em um canto da vida sua música preferida, seus livros de cabeceira, seus segredos na caixinha e seus sonhos... Ahh! (...) Seus sonhos! Um dia você acorda, e percebe que sentou-se à mesa com gente que nunca te enxergou, que ofereceu o seu melhor sorriso, o seu colo, os seus ouvidos mas, isso não te entristece, descobre que faria tudo de novo. Lembra-se que não retrucou aos absurdos e as frases mal ditas... Deitou na cama tentando entendê-las e percebe que, perdoou não uma mas várias vezes.  Lembra que deu o beijo na pessoa errada, que deixou de abraçar sua vida por vestir a camisa daquilo que acreditava e que não deu certo e não se arrepende, no fundo você sempre soube que era a pessoa certa e que a camisa ficou melhor do lado avesso, mais ainda, que sua vida ainda aguarda pelo seu abraço. Um dia você acorda cansado de dizer que está cansado, e decide que vai correr o risco de recapitular suas teologias e filosofias. Percebe que você vive e que a vida existe lá fora... Um dia você acorda e perdoa... e crê... e inspira... e sonha.  Percebe que você é uma eterna criança. Sim, um dia você acorda e percebe que sempre foi, é e será para sempre o mesmo. Exatamente, o mesmo! Tim, tim aos erros e acertos... No fundo sabemos que o que vale nesta vida, é ser feliz!

23 de mar de 2013

Olhares...

Tenho observado olhares cada vez mais vazios, desesperançosos, tristes e o pior, sem luz. Olhares perdidos sem idade, sem raça e sem hora marcada pra ir embora... Olhares gerando zumbis pela vida ou pior, olhares retirando vidas. O que anda acontecendo com a janela da alma? Por que o blecaute ao invés da luz??? Confesso que não sei o que seja a depressão, ou talvez saiba... Tem coisas, que a gente nunca sabe ou prefere não saber. Nesse momento confesso, estou atravessando a síndrome do pânico, desde os últimos dois assaltos dos quais fui vítima.  Não é nada bom andar pela rua, e ter a horrível sensação que uma ”criatura” vai pular no seu pescoço, a qualquer momento.. Não consigo mais entrar em bancos, lojas cheias e muito menos trafegar com os vidros do carro abertos. Quando saio da faculdade, sempre peço a um aluno pra acompanhar-me até o estacionamento(tenho dado trabalho)... Para chegar em casa, ligo antes para o vigia da rua (por várias e várias vezes, dei voltas no quarteirão pra aguardá-lo). Essa sensação é péssima e o pior, do jeito que a coisa anda será difícil retomar a autoconfiança... Já andei por bairros afastados, becos, ruelas estreitas e escuras, simplesmente para conhecer pessoas... Não tenho mais coragem. Cara, eu não tenho mais coragem!!! Chega a ser cruel, o que sinto. Quero fazer, me organizo pra isso, mas na hora “H” dou uma desculpa e não vou. Pelas ruas de bike sozinha, nem pensar. Coração foi a boca na última aventura urbana. Imaginei que pudesse aquela turminha, que estava caminhando com um rottweiler sem focinheira abordar-me naquele momento (dei meia volta e retornei pela contramão na Av. Sérvulo Soalheiro).Temo que meu olhar esteja perdendo o brilho... Temo que esteja perdendo a fé nas pessoas... Temo que muitas pessoas estejam passando por isso e não percebam. O isolamento pode ser o primeiro passo para a depressão, reconhece-lo faz toda a diferença. Mas não desisto... Não!! Bora lá pessoas... um passo de cada vez! O mais importante é não nos deixarmos sermos coadjuvantes na vida.... Na nossa vida somos os atores principais, escolhemos quem vai fazer parte do nosso espetáculo. Na maioria das vezes tudo que dizemos ou escrevemos é para que o nosso coração possa ouvir. É isso, ao brilho do olhar. 

8 de jan de 2013

Encantamento

A vida tem lá a sua graça... Tem sim.
A cada dia, a cada degrau somos testados... Provas e mais provas.
Andei pensando de alguns dias pra cá nas mal traçadas linhas que escrevemos no livro da nossa história. Por que ousamos nos cobrarmos??? Caspita, estamos vivendo esta vida pela primeira vez!!! Tudo, na sua primeira vez, corre o risco de não dar certo. Certo??? Errado!!! Não pode dar errado. Somos cruéis com a nossa existência... Queremos acertar sempre, e já começamos errando.
Bom... Algumas pequenas coisas deram certo. Pela última trilha que ousei passar, pude encontrar pessoas que falavam a mesma língua.
Pessoas com o mesmo ideal. Resgate do ambiente, cultura, educação e da essência perdida... Com estas pessoas ao lado, nada poderia dar errado... Ficou mais fácil!!! Fato, nas veias de Sete Lagoas, corre sangue do cacique Seattle. Cura do corpo... Cura da alma... Cura da esperança perdida... 

Como não se apaixonar por este chão??? Como não se deixar levar pelos amigos que fizemos e faremos??? O fascínio pelo novo protegida pelos anjos que encontramos pelo caminho, enche-nos de esperança... Pode dar certo, SIM!!!

Sete Lagoas tem alma caipira, histórias nas entranhas dos seus casarões, cheiro de arte, dança de roda, cores e texturas, maravilhas nas curvas das suas lagoas e tem em especial o que mais me fascina, Santa Helena nos abraçando dia e noite, em silêncio, e ela está lá, destemida junto aos seresteiros, a lua e as estrelas!!! 

Concluo (se é que posso concluir alguma coisa): Neste pedaço de chão, existem pessoas que veem o mesmo cenário bucólico, verdadeiro e real.


Perdoe-me Ubá, “cidade carinho”, da qual tenho muito orgulho de dizer que sou filha mas esta aqui, também, é a minha cidade! 
Sete Lagoas durma tranquila, neste chão tem pessoas encantadas por ti. Valeu demais pessoal!!! 

Alê Casarim   www.daltonandrade.com

17 de dez de 2012


Natal Casa da Sopa 2012


Como não relembrar... Nove anos se passaram... Uma ideia simples: Servir sopa! Três panelas de pressão e vivenciamos de perto, famílias inteiras embaixo de lonas pretas, a fome de comida e a fome de atenção. Crescemos todos!!! Semana seguinte... O primeiro latão de leite, que virou simbolicamente, a lata da sopa... Filas imensas, remédios, pães, leite, balas e muitos abraços... Éramos totalmente unidos e felizes, independentemente se a lua era cheia ou minguante, se era noite estrelada ou chuvosa... Fazíamos valer o: “Um por todos, todos por um!”. As quartas-feiras eram sagradas!!! Ao final desta trilha ou deste degrau, chegamos a 9 latas de sopa, muitos amigos, muitas histórias e muito crescimento espiritual... Hoje, percebo uma nova história... A Casa da Sopa, praticamente, anda sozinha... Os amigos estão lá, quase coadjuvantes... A família cresceu... O amor dobrou... A responsabilidade triplicou. Lembro-me da primeira pedra para edificação do prédio... Lembro-me da frase: “Filho meu é poderoso, vai pra guerra e volta vitorioso!” Parabéns a todos que fizeram da Festa do Natal da Casa da Sopa, inesquecivelmente, maravilhoso!!! Nossas crianças, nossos idosos, nossas famílias, que escolhemos dar as mãos, e principalmente nossos corações, não esperam nada mais do que um sorriso, um olhar, um abraço e principalmente a esperança de dias melhores. Vocês, com certeza, fizeram valer o Natal da Casa da Sopa 2012. Parabéns "Pessoas Lindas"!!! O céu está em festa!!! 

6 de out de 2012

Cúmplices do Sistema


Algum tempo atrás fui vítima de uma tentativa de assalto ainda na Quintino Bocaiuva, no final de uma tarde  normal em Sete Lagoas...  Ontem, em Belo Horizonte, fui novamente a bola da vez.  Cenário perfeito! Sinal fechado. Vítima perfeita!!! Desatenta e com uma corrente no pescoço. Resultado: Além dos arranhões, do pesadelo horrível (de que tudo poderia ter sido pior) e da insônia do resto desta madrugada...  Fica a triste sensação de impotência e do descrédito, pelas políticas públicas... Hora de refletir!!!  A Constituição da República dispõe expressamente que a segurança pública é, antes de tudo, um dever do Estado... Porém, providencialmente amanhã, elegeremos nossos governantes municipais, e como há um elo em tudo...  Precisaremos levar em consideração, a desigualdade social e a falta de investimento em educação nas nossas cidades.  Passou da hora de revermos conceitos...  Será que não temos mais o direito à segurança pública, ao imperativo básico do direito constitucional de ir e vir, sem sermos privados de um bem??? Quem falhou???
Dados do CONSEP, o 1º BPM, que cobre a área central de Belo Horizonte e adjacências, está com cerca de 35% da frota de viaturas parada por falta de recursos financeiros.  Já o Batalhão ROTAM, que responde pelo combate à criminalidade pesada, está com 50% da frota de viaturas paradas em virtude da falta de peças para seus veículos. O 13º BPM, cuja responsabilidade se estende pela região norte de BH, também está com 30% de sua frota de viaturas paradas por falta de verba para reparos e consertos.
“Peraí"!!! E as altas taxas para a segurança pública que pagamos???  Mais uma vez... Complacentes. Pior, cúmplices, por nos calarmos!!!
Fica a mensagem...  A quem interessa, o fracasso do sistema ???  Quem se alimenta do caos deste mesmo sistema e da alienação social e intelectual do povo???
Na ausência do poder público, os criminosos assumem o controle da vida e neste mundo invertido, os prisioneiros somos nós.

11 de ago de 2012

Paredes com Alma


Questões que não me abandonarão, pelo menos enquanto não houverem respostas plausíveis.
#InvisibilidadeHumana
Como pode o homem dito inteligente não perceber seu semelhante pelas curvas da vida??? Somos tão iguais e tão diferentes... Por quê???
#IdentidadePerdida
Como pode deixarmos de amar o planeta, pelo crescimento desenfreado, pela ganância??? (Pelo simples fato de pensarmos que o que interessa é o hoje, o agora ou simplesmente o “EU”).  Quanto egoísmo!!!
#DesamorPeloPatrimônio
Como pode, fecharmos o livro de nossa história e deixá-la morrer sem qualquer tipo de afeto???  (Pelo simples poder de que sou dono do espaço e decido se a deixarei de pé ou se a transformarei em fotos amareladas)... * Nesse momento penso que sou eterno e que, posso!!! Coitado de mim... Mal sei que não levarei muita coisa daqui.*
Da minha relação com os espaços e pessoas resultou um olhar perdido sobre pedaços da cidade...  Histórias que não poderão ser esquecidas... Pessoas jogando lixo na rua... Quebrando árvores recém-plantadas, jogando lixeiras nas lagoas, quebrando lâmpadas, pichando bustos... 
Caspita, Sete lagoas é de todos nós!!!
No último ano, tive a oportunidade de ver mais de perto, e com o olhar invertido, uma realidade complexa que clama pelo resgate da essência perdida... Enxerguei a falta de interiorização patrimonial...  
Não vivemos mais a cidade como uma extensão do nosso quintal...  
Não ensinamos as nossas crianças e jovens a incutir a cidade como sendo nossa!!! 
Falta abordarmos o patrimônio público pelas vias das emoções... "Paredes com alma". 
Falta querermos participar e não simplesmente fazermos parte...  
A cidade clama pelo nosso abraço.
Não importa quem será o maestro da vez, precisamos ser a  afinada orquestra... 
Precisamos ser a cidade que queremos viver.

26 de jul de 2012

Porta - Retrato

Preciso decidir, tomar rumo!!!
Retornar ao que era, o quanto antes...
Contemplar a lua que andava escondida...
Plantar flores na trilha da minha vida.

Marcar encontros nos fins de tardes...
Tomar vinho acompanhada, dar gargalhadas em plena luz do dia.
Brindar a vida com um arco íris de energia...
Gritar bem alto, o eco dos meus sonhos.

Conspirar amor, por onde possa passar!
Respirar bem fundo, seguir em frente.
Não ter medo da forte subida...
Muito menos das pedras que posso encontrar.

É agora!!!
É hoje!!!
Já passou tempo demais...
Despertei do pesadelo que teimei ser sonho.
Se ficar, se sofrer serei cobrada...
Meu sorriso já não é o mesmo do porta - retrato de ontem.

Alê Casarim 26/07/2012

21 de jul de 2012

Sonhos que quero sonhar...

Muitas vezes, egoísticamente confesso, penso que somente eu possa estar sentindo o enclausuramento causado pelo "cinza da cidade grande"... Mas é que sinto falta do verde da minha infância, das porteiras que se abriam rumo as minhas fantasias caipiras... Sonho com o pôr do sol, com a lua cheia, com o cheiro do mato e com o barulho do carro de boi... Vejo dois caminhos, retornar a minha vida bucólica ou ficar torcendo para que as próximas férias venham logo... Como a primeira opção está fora de cogitação pelo menos por enquanto, vou encarar mais uma ruga ou um novo fio de cabelo branco que com certeza brotarão neste cenário cinza  que escolhemos viver...
Bom... Sonhar eu posso e sonharei com cada raio de sol tocando a terra nua, com a lua refletindo no riacho, com o vento  beijando as folhas do Ipê Amarelo... Me  transportarei  de quando em vez, para a estrada cascalhada que me leva ao paraíso e sendo mais audaciosa, sonharei com  uma cidade bucólica onde as famílias se encontrarão nas praças iluminadas, ao som da banda local e com o pipoqueiro fazendo parte deste cenário cinematográfico que parece estar longe de ser reconquistado... Sem perder o foco, pouco a pouco em meu sonho, a cidade vai sendo humanizada tanto por fora como nos corações dos homens...
Posso ser rotulada pela essência que não deixo escapulir do meu corpo e da minha alma e assim como a arte pode ser confundida com frescura não me importo de ser confundida  com sonhadora...
Cada vez que deixo minhas raizes, fica mais difícil de  equilibrar em outros solos, por mais que os conheça.  Coração apertado.  Alê Casarim 21/07/2012
Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais!
Como são belos os dias
Do despontar da existência!
— Respira a alma inocência
Como perfumes a flor;
O mar é — lago sereno,
O céu — um manto azulado,
O mundo — um sonho dourado,
A vida — um hino d'amor!
Que aurora, que sol, que vida,
Que noites de melodia
Naquela doce alegria,
Naquele ingênuo folgar!
O céu bordado d'estrelas,
A terra de aromas cheia
As ondas beijando a areia
E a lua beijando o mar!
Oh! dias da minha infância!
Oh! meu céu de primavera!
Que doce a vida não era
Nessa risonha manhã!
Em vez das mágoas de agora,
Eu tinha nessas delícias
De minha mãe as carícias
E beijos de minha irmã!
Livre filho das montanhas,
Eu ia bem satisfeito,
Da camisa aberta o peito,
— Pés descalços, braços nus
— Correndo pelas campinas
A roda das cachoeiras,
Atrás das asas ligeiras
Das borboletas azuis!
Naqueles tempos ditosos
Ia colher as pitangas,
Trepava a tirar as mangas,
Brincava à beira do mar;
Rezava às Ave-Marias,
Achava o céu sempre lindo.
Adormecia sorrindo
E despertava a cantar!
Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
— Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras
Debaixo dos laranjais!
Casimiro de Abreu

22 de jun de 2012

Do Divã... Flores para a alma


Não quero flores quando morrer, quero flores nos caminhos que trilhar...
Flores brancas por onde buscar paz,
amarelas para alegrar meu dia e trazer amigos, assim como o girassol...
Quero flores do campo para relembrar minhas raízes e  vermelhas para não deixar morrer a paixão que existe no meu peito...
As rosas que vierem que sejam sem espinhos, mas se  merecer os espinhos que tenha sabedoria para retirá-los um a um para que não corra o risco, de magoar ou ferir alguém.
Alê 17/06/2011