25 de set de 2011

Pra não dizer que não falei das ÁRVORES...


Sobrevivemos sem as "gigantes"...  Certo? Errado! Por mais importante que seja, a espécie humana neste planeta, não sobreviveríamos sem a natureza... Existe uma cumplicidade de igual importância... A natureza é sábia, se deixarmos sermos enfeitiçados por ela, cativa nossa alma e nos manda respostas...  As "gigantes" ocupam o espaço no vazio da paisagem (mente) humana... 
- Cresci entre gigantes da Rua Manuel Casal e árvores enormes da Praça São Januário... Do cenário bucólico da praça a gigante "Ficus elástica",  mesma espécie da história da Branca de Neve (delícia relembrar isso...), fizeram parte da minha infância... Lembro-me das murtas podadas em formato de tronos reais... Penso que foi a partir daí que me tornei a sonhadora que ainda sou...  Bem mais próximas, no fundo do quintal que cresci onde até  bem pouco tempo jurava ser bem maior do que realmente sempre foi, ficavam suas raízes a ameixeira, uma parreira de uva verde,  vários cítricos,  jambo,  mangueira e um pé de abiu com seu fruto que colava nos lábios e do qual adquiri a minha primeira cicatriz -14 pontos. Fui moleca de subir em árvores... Ops!!! Ainda escalo gigantes...
Sem nos darmos conta desenvolvemos uma espécie de afeição, amor mesmo, pelas árvores da nossas vidas. Não é à toa que sentimos um certo vazio, no peito, quando nos deparamos com troncos sem "cabeleiras" ou com resquício de uma história perdida junto aos "pés" que ainda teimam em sugar da terra o respiro pra um "corpo" que há muito se foi... É como se tirassem um pedaço da nossa memória, da nossa história...  As árvores não devem receber a sentença de morte porque resolvemos mudar a posição do portão da garagem... Muito menos devem ser sacrificadas por perderem as folhas com a chegada do inverno...  ou ainda, por sujarem as nossas calçadas ou o quintal do nosso vizinho...
Pena que ainda não consigamos perceber o verde que nos traz a calma pra o novo dia... Aliás, percebemos bem pouca coisa nessa vida... Estamos ocupados demais, não é???   Precisamos preservar a nossa memória, ainda que faça parte dela apenas aquele ipê com  sua florada amarela, aquele mesmo que enfeita o alto do pasto de onde escorregávamos pelo barranco vermelho montados num pedaço de papelão... Lembro-me dos detalhes,  se apertar a memória, consigo sentir o cheiro da minha velha infância... Affe!!!  Caramba!!! São as árvores da nossa cidade...da nossa história... da nossa vida!!! Suprimi-las só se for por periculosidade, de outra forma, o homem que se adapte a elas... Afinal temos pernas e podemos escolher onde fincarmos nossas raízes.
Ps: Sempre que for plantar uma árvore e tiver alguma dúvida sobre a espécie escolhida, peça auxilio a um técnico, para  que não precise solicitar a supressão de uma gigante no futuro.


22 de set de 2011

Primavera

A Primavera chegou e com ela cheiro, cores e esperança...





                                                        Fotos: Alê

Cemig promove debates sobre arborização urbana e lança o Manual de Arborização


O Circuito Cemig de Arborização Urbana chega a Belo Horizonte neste mês de setembro, dia 27. O evento promovido pela Cemig, está percorrendo todo o interior do Estado com a proposta de discutir as boas práticas de arboricultura, além de aprimorar os trabalhos dos profissionais envolvidos no planejamento urbano, distribuição de energia elétrica e arborização.
Desde março, já foram realizados cinco encontros, distribuídos nos municípios de Juiz de Fora, Divinópolis, Varginha, Governador Valadares e Uberlândia.  Em outubro, o Circuito se encerrará em Montes Claros. O evento conta com a participação de profissionais da Cemig, prefeituras municipais, estudantes universitários, organizações não governamentais e órgãos públicos ligados à gestão ambiental.
Uma das atrações do evento é o lançamento da nova versão do Manual de Arborização. Com sua primeira publicação feita em 1986, sendo utilizado amplamente pelos mais variados interessados no tema. O material foi editado com o intuito de prover informações técnicas a respeito da compatibilização e o convívio entre a distribuição de energia elétrica e a arborização, visando subsidiar aqueles que, de alguma forma, participam da gestão de serviços urbanos.
O evento em Belo Horizonte acontecerá no auditório do edíficio-sede da Cemig e também contará com exposições de fotos, bonsai e pequenas ferramentas para poda de árvores.
Inscrições
As inscrições vão até o dia 25 de setembro. Você pode se inscrever pelo e-mail circuitoarborizacao@cemig.com.br informando:
• Nome
• Empresa
• Cargo
• Telefone
• E-mail
Programação 
7h30min - Credenciamento              
8h15min - Abertura
9 horas - Lançamento do Manual de Arborização
9h20min - Cenário mundial da arborização urbana – Pedro Mendes Castro - SBAU
9h50min - Café da manhã
10h10min - Coleta de sementes e produção de mudas de alto padrão para arborização urbana – Gladstone Corrêa – Fundação Zoo-botânica de Belo Horizonte
10h40min - Avaliação de Árvores de Risco – Carlos Delbem – PRB Ambiental
11h10min - Inventário de Arborização Urbana no Município de Timóteo – Bruno Reis Alcântara – Pref.Timóteo
11h40min - Palavra aberta
12 horas - Intervalo para almoço
13h30min - Programa Premiar – Carlos Alberto de Sousa – Cemig
14 horas - Gestão da arborização urbana em Contagem – Érika Pacheco – ConParq
14h30min - Segurança na prática de poda de árvores – Gustavo Charlemont – SINDIMIG
15 horas - Arborização urbana e sistema elétrico – Fernando Cesar Bragança – Cemig
15h30min - Café da tarde
15h45min - Planejamento urbano – Jeanne Almeida da Trindade – Pref. Rio de Janeiro
16h15min - Inventário de arborização urbana no município de Belo Horizonte – Márcia Mourão - PBH
16h45min - Palavra aberta
17 horas - Encerramento

16 de set de 2011

O tempo promete estar claro...parece vir uma brisa limpa e leve...

Que rufem os tambores!!!!!!!!!
Os tambores da fé!!!!!!!!!!!!!!!
Da esperança!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
De uma nova história!!!!!!!!!!!!
Seja bem vinda nova semana!!
Hora da união!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Hora de arregaçar as mangas!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Hora de resgatar a confiança!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Pra aqueles que estavam a tempos sem dormir!!!!
Uma boa noite de sono!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Um ótimo final de semana!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
O tempo promete estar claro...............................
parece vir uma brisa limpa e leve.........................

Normas Ambientais ou Mercado??? Para a grande maioria: Mercado.

A par da legislação, há um conjunto de normas e procedimentos industriais e comerciais, que progressivamente pressionam para um maior respeito ao meio ambiente e aos recursos naturais. Muitas destas normas são voluntárias, isto é, a empresa não precisa aderir a elas, mas se não o faz, perde mercado, porque as certificações advindas da obediência a estas normas (como a ISO 14000) permitem a participação num crescente mercado internacional, coisa impossível sem a devida obediência.  
O novo paradigma, será portanto crescimento econômico em harmonia com a natureza, o que freqüentemente é dito como crescimento sustentável.
Não há outra saída! Se não forem pontuados hoje, os possíveis/atuais riscos que já se tem notícia, num futuro muito próximo, o homem estará lutando por um punhado de água e um pouco de alimento para saciar sua sede e fome.
O que poderia mudar este paradigma? Novas tecnologias, nova consciência ambiental e legislação atuante.

''A Humanidade tem condições de promover um desenvolvimento sustentável que satisfaça as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazer suas próprias necessidades.'' Excerto de ''Nosso Futuro Comum'' - Brundtland Report, 1987, p.24 - Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento  da       ONU.

13 de set de 2011

Que rufem os tambores... Patrulha da Alegria, 6 anos Fazendo a Festa...PARABÉNS!!!



Há seis anos, uma turminha muito especial, de nariz vermelho, vem fazendo a diferença no Hospital Nossa Senhora das Graças. São palhaços que fazem de conta que são médicos para crianças que fazem de conta que acreditam. Um grande trabalho que envolve também toda a equipe do hospital.
 Ao chegar à porta do quarto, os palhaços não sabem o que vai acontecer: sua única certeza é o contato olho no olho e a espera da autorização da criança para que a ‘cena’ seja escrita. O aplauso para o ‘espetáculo’ pode vir por meio de sonoras gargalhadas, de um sorriso acanhado, de um aceno delicado, enfim, interações únicas que vêm de maneira sutil e às vezes arrebatadora. O que importa é que eles estão ali, em contato com a essência da criança, que embora em um ambiente adverso, quer mais do que qualquer coisa, ter direito a ser criança, rir, brincar e ser feliz!
 Como isso é possível? É uma questão de escolha. Podemos escolher abafar nossas emoções na esperança de evitar a dor, ou deixar a dor entrar e usar nosso dom do riso para torná-la suportável. Como no depoimento abaixo:
“Era como se tudo houvesse parado no momento em que recebeu a notícia de que seu filho havia sido atropelado. E agora, arriscou um olhar à sua volta, na UTI: sons da melodia intransponível dos aparelhos e expectativa por informações médicas. A imagem do filho correndo pela casa, de sua energia vibrante, ia sendo substituída pelo silêncio do seu corpo inerte.
De repente, algo inusitado a chamou para além da cama de seu filho: palhaços? Diante do estranhamento e da surpresa, permitiu-se ficar sem pensar em nada. Um antagonismo entre aquelas imagens coloridas e o ambiente. Sua racionalidade buscava uma coerência nas informações. Porém, deixou-se levar por aquela lógica absurda e depois agradeceu a si mesma por ter-se deixado levar pela magia. Por alguns momentos, captou nos olhares daqueles ‘médicos’ a ingenuidade e a energia adormecidas com seu filho e isso a cativou. Era um convite irresistível! Alguns minutos depois, deu-se conta de que estava sorrindo. E, através de música, que substituiu os ruídos do aparelho, e de bolhas de sabão, sentiu que seu filho estava sendo homenageado. Reviu a situação que estava vivendo e a tristeza se transformou em orgulho. Afinal, ele estava lutando para viver. Esforçou-se para guardar aquela sensação. Sabia que precisava dela como um combustível para continuar a enfrentar aquela experiência na qual a vida a tinha colocado. 
Seus olhos se voltaram para o filho, não sabia explicar, mas algo havia mudado. Era como se alguém, por alguns minutos, a tivesse colocado no colo. E foi então que percebeu que, naquele momento, ela adquirira a condição necessária para viver aquela situação”.       (Soluções de Palhaço – Morgana Masetti)
A Patrulha da Alegria é um grupo voluntário de palhaços que atua na pediatria do Hospital Nossa Senhora das Graças desde 2005, todas as quartas-feiras e aos sábados, em duplas ou em trios.

27/03/2011

Contato
Andréia Goldinho
3771-7314.

11 de set de 2011

A semana promete...

 Nada como um final de semana...
 Refletir é tudo!!!
Ficheiro:Peace dove blue sky.png

Juntos somos mais...

Venha a paz...
Venha segunda-feira.

9 de set de 2011

Desculpe, mas o cardápio está por demais INDIGESTO...

Quando pensamos que já vimos de tudo...
Descobrimos que era apenas, um tira-gosto... ou uma entrada
mais leve, para a entrada triunfal do "verdadeiro" cardápio da casa .
Aff!!!
Que possa a estrela maior, nos guiar por caminhos menos trevosos...
Menos mentira, menos arrogância, menos fingimento...
Monstros se vestem de homens...
Se banalizarmos fatos...
Compactuaremos.
Que nossos braços não se cruzem...
Que nossa alma não se cale...
Que não nos assentemos no nosso sofá azul...
Que possamos vencer os monstros de plantão...
Que possamos ter força para abrir a janela de um novo horizonte,
aonde homens de caráter ainda existam...
Nos dê discernimento, amparo e não deixe que nosso peito possa
se encher de sentimentos que não condizem com o nossa essência...
Nos guarde dos lobos soltos pelo universo que se diz, humanizado.
Amém!

4 de set de 2011

Fingimos todos... Triste isto.

Porque as pessoas nos fazem perder a fé???
As pessoas se escondem cada vez mais atrás da camada do "FINGIR"
Triste isto...
Fingem que são felizes... fingem que são confiáveis...fingem que são perfeitas...fingem que choram... fingem que perdoam... fingem que está tudo bem ...fingem...fingem e...fingem...
Nos misturamos a elas e fingimos que acreditamos, que elas são o que gostariam que pensássemos que fossem...
Jogo perigoso...
Perdemos a fé!!!
A fé no homem, na vida, na existência.
Triste isto...
Se revertermos, corremos o risco de minarmos, se compactuarmos,concordamos com a postura...
"Cadê" a bula???
"Cadê"a coragem e o bom senso???
"Cadê" o alto da montanha dos nossos pensamentos ( aqueles só nossos...).mesmo que estejamos na civilização do homem que finge???...
Não vemos mais a montanha...passamos por ela e não a enxergamos...
Fingimos que está tudo bem e que não precisamos encontrá-la...
Triste isto...

Estamos chegando...

Foto: Alê/ 09/2011