22 de abr de 2012

Matricular/Estudar na UNIFEI??? Obrigatória a leitura deste texto.

Matricular seu filho  na UNIFEI  Itabira MG??? Leia antes este texto: 
"Onda de assaltos em repúblicas da Unifei Itabira assustam estudantes, só na noite de 16/03 ocorreram três (sendo um deles, a mão armada), um furto e uma tentativa, em todas as ocorrências a polícia demorou excessivamente (horas) para chegar ao local e no ato do atendimento agiam com ar de deboche, dizendo “não vimos nada, nada podemos fazer”.

Em três semanas desde que começaram as aulas, já ocorreram mais de 10 furtos, pais de alunos já querem tirar seus filhos da universidade, pois nada é feito pelas autoridades.

Xenofobia é algo evidente no dia-a-dia da cidade, onde tratam os estudantes “forasteiros” com indiferença, cobrando mais caro em tudo ( aluguéis principalmente ), isso ocorre até mesmo quando o assunto são os policiais, eles demoram poucos minutos para atender ocorrências de som alto em festas em repúblicas e demoram horas para atender uma ocorrência de assalto à mão armada ou furto, que estes alunos vêm sofrendo.
Dizem que o grande problema dos universitários de Itabira são os barulhos das festas, pois então notamos uma discrepância engraçada, quando o trem da Vale passa de duas em duas horas pela madrugada, fazendo um enorme barulho, ninguém reclama. É claro que não vão reclamar, afinal a Vale é detentora do maior investimento financeiro da cidade. Mas espera ai, os universitários deixam na cidade aproximadamente 14 milhões de reais todo ano, que não é pouco, porque então eles devem ter menos direitos de que um morador nascido em Itabira, afinal eles também moram na cidade.
Será que eles terão que fazer barulho nas ruas, ou fazer as tais “badernas”, para serem ouvidos pelas autoridades e serem tratados como cidadãos? Será que se uma das vítimas desses assaltos fosse um morador nascido na cidade, a polícia iria demorar tanto para realizar o atendimento ou até mesmo iria rir deles? Creio que não.
Vamos imaginar então se fosse o prefeito ou algum “figurão” influente da cidade, será que seriam tratados com desrespeito igual esses alunos da Unifei? Será que se eles fizessem uma festa, os moradores iriam chamar uma viatura para mandar abaixar o som ou iriam pessoalmente pedir com educação? Com certeza seria a segunda opção. Então porque que com esses universitários acontece o inverso? Talvez seja porque isso já virou um clichê ou até mesmo piada.
Deve ser engraçado pegar no pé deles, roubar seus pertences, afinal certas coisas aqui na cidade só acontecem com eles. Chegou a hora de mudar essa realidade, seja por bem ou por mal, o que não pode acontecer, é ficar como está. Hoje eles não podem sair à noite, pois não sabem se ao voltar para suas residências, elas terão sido saqueadas, ou até mesmo se voltarão vivos, muito menos sabem se podem viajar para suas cidades de origem, pois quando voltarem pode ser que nem mesmo achem portas ou janelas em suas casas, quem dirá seus pertences.
Deste jeito a Unifei não vai para frente, afinal quem vai querer vir morar em uma cidade, onde os alunos são vistos como diferentes dos outros moradores e por isso sofrem consequências? Isso é péssimo para imagem da própria cidade, será que a população ainda não percebeu isso?
Espero que seja feito alguma coisa, pois os alunos não irão ficar parados esperando alguém morrer, para as autoridades tomarem alguma atitude. Eles são tão moradores, quanto alguém que nasceu na cidade, para quem veio a trabalho, ou qualquer outro tipo de morador, todos tem direitos iguais perante a lei".
Texto por: Bruno Ranieri e Kauê Martins Silva   Edição: Kauê Martins Silva e Antônio Duarte Ribeiro
Como MÃE, EDUCADORA e acima de tudo PRESENTE, só não trouxe meu filho para casa,  porque os sonhos dele ainda nos falam mais alto...  Porém confesso, meu coração anda por demais apertado...        Alessandra Casarim  22/04/2012

14 comentários:

Anônimo disse...

Assino também.

FB
Engenharia Mecânica UNIFEI

Anônimo disse...

Só porque somos estudantes, somos obrigados a fazer o que os policiais nos pedem até retirar toda a roupa só para ver se estamos com droga. Na minha cidade eles apalpam e não colocam ninguém em situação deprimente. Falta de preparo para receber estudantes que geram empregos e trás dinheiro para a cidade. Somos vistos como criminosos aqui e ninguém nos ouve para nada visto o absurdo que pagamos de ônibus para chegarmos numa faculdade instalada no alto de um pasto que não oferece nem um PF quanto mais bandejão para seus alunos. Utilizamos o ônibus pelo menos 4 vezes ao dia se quisermos almoçar. Absurdo!

Júlio

Alê Casarim disse...

Júlio,

Conte com o nosso apoio!!! Temos muitos deveres e precisamos reivindicar nossos direitos... Já entramos em contato com dois vereadores que ficaram de estudar quanto aos valores das passagens... Quanto as situações desagradáveis que tem acontecido com alguns estudantes, será registrado amanhã, uma queixa na delegacia da cidade (feita por um pai indignado com a situação pela qual vocês estão passando). Depois informo maiores detalhes... Abraços Ps: Vocês não estão sozinhos, ainda existem pais preocupados com o bem estar de seus filhos.

Helton Moreira disse...

Estranha a mentalidade de certos segmentos da sociedade itabirana, será que eles não entendem que ter o privilégio de hospedar uma universidade federal vem junto com grandes benefícios e que se deve ter por obrigação uma estima por esta entidade, seus profissionais e alunos. Basta lembrar cidades como Viçosa, Alfenas, Itajubá que hoje estão no mapa por terem cultivado um ambiente agradável e propício a jovens que saem de casa e precisam do apoio da comunidade para se estabelecer pelo período necessário para sua graduação. Penso que a direção da escola deve procurar o prefeito desta cidade cobrar explicação e atuação sobre a discriminação que estes alunos vem sofrendo. sei o quanto você e o Ruy são presentes e atentos e espero que o Henrique que é uma pessoa excelente de espírito e caráter consiga a paz necessária para continuar alcançando seu sonho.

Helton Moreira disse...

Alessandra, se houver alguma forma em que eu possa ajudar, pode contar comigo.

Alê Casarim disse...

Estamos muito preocupados... Ruy foi pra lá segunda-feira, voltou quinta e já foi pra lá hoje novamente... Vamos mudar o Henrique de república... Na que ele está, são 4 apartamentos só de estudantes (5 em cada) e os vizinhos do bairro Amazonas que é o mais próximo da Faculdade não aceitam os estudantes... Eles estão com medo... O cara chamou a polícia por causa de uma festa no apartamento de cima e 3 viaturas chegaram em menos de 10 minutos e levaram todos para a delegacia...Não criamos filho pra isto... Pedi que Ruy o trouxesse de volta, mas pela primeira vez, Henrique se posicionou... Disse que não iria largar o curso que ele quer para voltar para casa... Não sabemos o que fazer e Ruy esta péssimo com tudo isto...

Helton Moreira disse...

Imagino o que você está sentindo, vocês estão agindo corretamente, espero que o Ruy consiga o quanto antes um local mais tranquilo para o Henrique, enquanto isto vamos ver o que podemos fazer daqui para ajudar.

Alê Casarim disse...

Estamos tentando levar todos que estão com ele no apartamento... 4 meninos... Os pais estão nos ligando para que não os deixemos para trás... Tem meninos de São Paulo e Campinas... Ruy disse que são todos como Henrique... Tranquilos... Hoje Ruy vai se encontrar com o pai de um deles ... Vamos torcer para dar tudo certo... O problema, é que está muito difícil encontrar um local...

Ruy Corrêa disse...

A Representante do Ministério Público (órgão responsável legalmente pela fiscalização da vida em sociedade) e, portanto, competente para análise e propostas em situações desta natureza, demonstrando grande sensibilidade aos problemas sofridos pelos jovens que saem de suas residências para estudarem na UNIFEI, na cidade de Itabira, e acabam sofrendo preconceitos e perseguições de moradores e policiais, se posicionou no sentido de que, tais fatos por si só, não podem nem poderiam ter o condão de macular a vida de futuros e brilhantes jovens.

Diz ela que, em se tratando da primeira vez, a descriminalização seria o mais correto, coerente e justo haja vista que, estes mesmos jovens, em pouco tempo, necessitarão de emissão das respectivas CAC (Certidão de Antecedentes Criminais) para fins de estágio ou mesmo de seu primeiro emprego.

Consubstanciando-se ao bom senso e à composição amigável que norteiam a Lei 9.099, entendeu por bem, convocar o proprietário do imóvel sob o argumento de que, a responsabilidade não poderia recair tão somente nos jovens estudantes, ou seja, entende, e diga-se de passagem, com toda a razão, que tem o proprietário, responsabilidade solidaria.

No entendimento da Promotora de Justiça, o proprietário do imóvel que utiliza imóvel de sua propriedade para fins de locação para república, não deve se limitar a “ganhar dinheiro” e se eximir da responsabilização.

Neste diapasão, foi o proprietário convocado para prestar esclarecimentos e figurar também no pólo passivo, ou seja, em caso de novas pertubações ao sossego público, deverá ele responder solidariamente aos causadores da pertubação.

Decisão final: Foi feita uma composição amigável de natureza civil havendo a descriminalização e, em caso de nova ocorrência da mesma natureza, serão eles, jovens e proprietário, processados civilmente podendo virem a serem condenados ao pagamento de uma multa pecuniária.

A decisão de uma responsabilização pecuniária tem um caráter muito mais próximo da pedagógica do que uma condenação criminal, mesmo em se tratando de uma transação penal nos termos da lei 9.099.

Importante ressaltar que, em hipótese alguma estaremos pactuando a algazarra e a pertubação ao sossego (art. 42 da Lei das Contravenções Penais).

No entanto, não poderíamos deixar de manifestar nossa indignação de pai presente e, principalmente, de defensor de direitos em relação a uma arbitrária e dirigida atuação policial onde, a pretensão era a de se “fechar um pacote” e impor uma condenação criminal a culpados e inocentes, condenação esta que, fatalmente, viriam a prejudicar jovens promissores em suas futuras carreiras.

Aos pais e mães que venham a ter a oportunidade de ler estas linhas, tenham certeza que, ficamos muito satisfeito pela ponderação e serenidade por parte da Sra. Dra. Promotora de Justiça da Comarca de Itabira amenizando assim, nossas ansiedades em deixarmos nossos filhos em cidade que, lamentavelmente, ainda não está preparada para receber estudantes.
Aos estudantes que tenham a oportunidade de lerem estas linhas, que sirvam de aviso e exemplo e nunca de incentivo para promoção de algazarras e pertubação ao sossego alheio, pois cada caso é um caso.

Anônimo disse...

Será que agora voltaremos para casa menos tensos sem sermos autuados como bandidos?

Cássio Bueno

Anônimo disse...

Ainda estamos na mesma... Pouca coisa mudou. Estou indo embora em julho e desde que vim pra Itabira durmo mal. Tenho medo de ser acordado como da última vez e cair numa delegacia de pijama. Estou tentando minha transferencia para outra engenharia já que mobilidade em minas só aqui. Enquanto a cabeça dos policiais e da população não mudar correremos risco pelo preconceito. Um amigo levou uma coronhada a noite só porque estava voltando sem caderno(representação de ser aluno) para casa e ele só estava em um seminário. Aqui, é o fim do mundo em educação social!

JP

Alê Casarim disse...

JP, somente hoje, vi seu comentário... Bem, as coisas estão tomando proporções maiores(preocupantes por demais). Já passei seu desabafo para algumas pessoas que poderão nos ajudar... O que posso te dizer hoje, é que fique bem...
Segue meu email, entre em contato para que possamos te passar mais contatos e detalhes...
alescasarim@hotmail.com
Abraços

Anônimo disse...

Achei esta página por acaso, pois estou procurando todas as informações possíveis sobre a UNIFEI em Itabira. Sou de Brasília e meu filho fez matrícula ontem, 21/02/2012, para engenharia de Controle e Automação. Fiquei assustada com o que eu li. Já percebi que os meninos devem passar por muitas dificuldades pela distância do prédio novo da cidade, mas não tinha imaginado que os moradores de Itabira seriam resistentes com os alunos. Apesar de tudo, o curso é bom? Vale a pena estudar em Itabira?
Cristina

Alê Casarim disse...

Cristina, boa noite!!!
Também sou mãe e imagino sua preocupação.
Mudei meu filho de bairro, ele morava no bairro Amazonas(o mesmo do antigo campus) lá, não sei como andam as coisas... De qualquer forma, meu filho ingressou na segunda turma da UNIFEI, de lá pra cá, acredito que muita coisa possa ter melhorado sim! Pelo menos de 2 em 2 meses apareço por lá... É sempre bom, estarmos por perto. Sucesso ao seu filho!!!